GRUPO CIMENTOS MADEIRA

Atenta às necessidades e evolução do mercado da construção civil, dentro da fileira do cimento e dos materiais de construção, a Cimentos Madeira muito cedo soube aproveitar as oportunidades que surgiram, contribuindo para o desenvolvimento de sub-sectores chave da construção civil e estabelecendo padrões de qualidade que constituem referência no mercado regional.

Em 1989 a Cimentos Madeira adquiriu 100% das empresas Brimade e Coron, localizadas na Fundoa de Cima, Funchal, dedicadas à exploração de pedreiras, produção e comercialização de agregados para a construção civil. Após um processo de reestruturação e de forte investimento, a Coron foi fusionada na Brimade. Ao longo do tempo o investimento na Brimade tem sido significativo visando, por um lado, melhorar as condições de exploração da maior e melhor pedreira do Funchal e, por outro, melhorar a qualidade dos agregados produzidos, tendo sempre presente a minimização dos impactos ambientais que este tipo de actividade necessariamente provoca. Desde 2005 que os agregados produzidos e comercializados pela Brimade têm a aposição da Marcação Ce, de acordo com a norma EN 12620:2002+Emenda: 2008. Em 2011 a Brimade alargou o âmbito do Sistema de Marcação CE dos Agregados, com a introdução da areia britada fina ABF0/2, que permitiu substituir no fabrico de betão pronto a areia do mar, garantindo betões com uma classe de cloretos ≤0,1, revelando-se um sério contributo para a durabilidade das estruturas. Desde 2014 que a Brimade encontra-se certificada pela Norma de Gestão NP EN ISO 9001.

De forma natural e em 1990 foi constituída a Beto Madeira visando a produção e comercialização de betão pronto, cujo Centro de Produção se localiza na Fundoa de Cima, junto às instalações da Brimade. Esta empresa foi a primeira no concelho do Funchal a dedicar-se a esta actividade. Desde cedo que o controlo e melhoria da qualidade no fabrico do betão são uma constante, sendo a Beto Madeira considerada uma referência no mercado regional. Em 1995 adquiriu os activos de produção de agregados e fabrico de betão da Terrazul. Após a implementação de um processo de reestruturação e investimento adequado as instalações da Terrazul passaram a constituir-se como o Centro de Produção de Santa Cruz. De forma inovadora no mercado regional, a Beto Madeira implementou o conceito de centrais de betão móveis instaladas em locais estratégicos decorrentes das necessidades do mercado e em 2011 instalou uma nova central de betão nas instalações da Fundoa, para substituir a que já se encontrava obsoleta. Nesse mesmo ano a Beto Madeira obteve a certificação do Sistema de Controlo de Produção no centro de betão pronto de São Roque (Fundoa) pela norma NP EN 206-1:2007+ Emenda 1:2008 e Emenda 2:2010. Desde 2014 que a Beto Madeira encontra-se certificada pela Norma de Gestão NP EN ISO 9001.

Em 1991 a Cimentos Madeira adquiriu a totalidade do capital social da Promadeira, empresa localizada em São Gonçalo, Funchal, dedicada à produção e comercialização de pré-fabricados de betão. Tratou-se de mais um investimento na fileira do cimento e dos materiais de construção, com a particularidade de ter permitido a recuperação económica e financeira da empresa após reestruturação de processos e forte investimento. Em 2008, face à conjuntura actual e tendo em atenção as alterações estruturais profundas que ocorreram no mercado deste sub-sector, a empresa foi forçada a encerrar a sua actividade.

Em 1995 a Cimentos Madeira contribuiu decisivamente para o reordenamento e reestruturação do sub-sector de extracção de areias marinhas, congregando esforços que permitiram a constituição de 2 sociedades que integraram a maioria dos areeiros da Região. A Madmar, dedicada à extracção das areias, a Coinertes, dedicada ao tratamento e comercialização das mesmas. A Cimentos Madeira participou até 2008 no capital social de ambas as empresas com uma quota de 12,5%.

Em 1998, visando a recuperação técnica e económica de uma empresa regional, foi constituída a Madebritas. A empresa  localizada no Campanário, dedicou-se à exploração de uma pedreira com britagem para produção e comercialização de agregados para a construção civil. O capital social é detido em 51% pela Brimade e 49% pelo Sr. Nélio Andrade e pelo Sr. Ricardo Andrade. Conjunturalmente e devido à redução do mercado suspendeu-se a actividade produtiva da empresa.

Em 2003 e para reforçar a sua presença no mercado dos agregados num período de forte consumo a Brimade, em parceria com empresários regionais, constituiu a Inertogrande e para efectuar a limpeza e desassoreamento do leito de uma ribeira, cujo material removido é posteriormente britado para a produção de agregados para a construção civil. A empresa detém uma participação directa de 33% e, por via indirecta, de outros 33%. Detém, ainda, 51% da empresa JMJ Henriques.

Ainda em 2003 e tendo em atenção a Operação Integrada de Desenvolvimento então em curso na Ilha do Porto Santo, a Brimade, conjuntamente com um empresário portosantense, adquiriu a Pedra Regional. A empresa dedica-se à exploração de uma pedreira, com posterior britagem da pedra para produção de agregados para a construção civil. Paralelamente a empresa dedica-se, ainda, à produção e comercialização de betão pronto. A Brimade participa com 51% no capital social da empresa. Face à redução significativa do mercado da construção civil no Porto Santo, a empresa tem a sua actividade suspensa desde Janeiro de 2012.

 Em 2001 e integrado neste novo ciclo, a Cimentos Madeira instalou um Laboratório para controlo e melhoria da qualidade de produtos e materiais para a construção civil, não só para as empresas do Grupo, como também para as empresas do mercado da construção civil. O Laboratório Cimentos Madeira presta serviços nos domínios dos ensaios de solos e agregados bem como de cimentos, betões e betuminosos, e de aconselhamento no fabrico de betões e controlo de qualidade de obras de construção civil.

O LCM – Laboratório Cimentos Madeira é um laboratório acreditado pelo IPAC - Instituto Português da Acreditação, desde 01 de Julho de 2011 para actividades de ensaio, integrando o Acordo de Reconhecimento Mútuo ( MRA) da ILAC.

Em Agosto de 2001 e após auditoria efectuada pela SGS, o sistema de qualidade implementado na Cimentos Madeira foi considerado conforme com os requisitos da norma NP EN ISO 9002, no âmbito da comercialização de cimentos a granel e embalados. Em 2002 a empresa desenvolveu um sistema de self-service a granel que funcionava 24 horas por dia, todos os dias da semana, permitindo aos nossos Clientes efectuar carregamentos a qualquer hora, de acordo com as suas necessidades, disponibilidade e conveniência. O sistema de self-servive foi entretanto suspenso a partir de Abril de 2013, por já não constituir uma necessidade para os nossos Clientes.

No final de 2003, com a revisão das normas de certificação, a Cimentos Madeira efectuou a transição para a norma de referência NP EN ISO 9001:2000, alargando o seu âmbito de certificação para as actividades de Comercialização de Cimentos e Seus Derivados a Granel e Embalados, mantendo a certificação do seu sistema da qualidade que actualmente se rege pela Norma NP EN ISO 9001:2008.

Em 2010 após ensaios de caracterização realizados pelo Laboratório Cimentos Madeira, iniciou-se a comercialização do Fíler Comercial para misturas betuminosas. Com a introdução do novo produto – Fíler Comercial, foi necessário requerer a aposição da Marcação CE que constitui a garantia, dada pelo fabricante, de que o produto cumpre com as normas constantes das directivas comunitárias bem como com o referencial normativo NP EN 13043:2004.

Em Dezembro de 2010 a Cimentos Madeira lançou no mercado a embalagem de 25 kg de cimento.

Estando praticamente concluído o ciclo de investimentos na fileira do cimento o Grupo Cimentos Madeira procura alternativas em novos negócios e actividades. Em parceria e de forma inovadora, há que explorar o “know-how” existente na logística marítima e na distribuição terrestre. Há que estar atento às oportunidades nos domínios ambiental e energético e aproveitar as janelas de oportunidade de internacionalização.